FernandoSantana

FERNANDOSANTANA paixão pelo futebol

Bateu no pote

Num domingo pela manhã, em Jardim São Paulo, o Ipiranga entrava gloriosamente em campo para saldar mais um compromisso. O areal onde o Ipiranga jogava, fervilhava, devido à alta temperatura. Torcida preocupada porque o jogo era difícil. Todavia, o time da casa tinha seus craques consagrados: Nido Chumbinho, Mané Touro, Ivan, Jerônimo, Natan, irmão de Joel(Santa Cruz), aliás, era barrado, pelo treinador Almir Prego.

Lá na frente lépido e fagueiro, o baixinho Nando, depois de vir com seu pai Zezinho da feira de Areias, comandava o ataque.

Nando vem pela esquerda tabelando com Natan, e fuzila, a torcida grita goool.

O baixinho, em vez de vibrar sai de campo e corre para sua casa. É que atrás da barra o homem vendia refresco. E a barra sem a rede, a bola quebrou o pote de refresco, e claro derramou tudo no areal.

Formou-se o bafafá, pois seu Biu queria o resarcimento do pejuízo.

Pai, juro que só queria fazer o gol.

Seu Biu retruca: fez gol mas paga.

Aí meu pai diz: olha aqui seu Biu se a bola entrou, e o juiz deu gol, não pago nada.

Porém como a torcida queria ver a continuação da partida, fez a famos vaquinha, pagou ao seu Biu, a bola volta a rolar, com o goleador Nando ainda desconfiado, mas batendo um bolão .

Seu Airton, que de longe via futuro nos meninos, levou em 1962 a fazerem testes no peneira de seu Batista(Santa Cruz).

Começava a surgir o grande artilheiro, da fase do pentacampeonato tricolor, Fernando Santana.

História contada a Lenivaldo Aragão, nas manhãs de caminhada na praia de Boa Viagem.

Categoria: Causos

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.