FernandoSantana

FERNANDOSANTANA paixão pelo futebol

Saudade, nostalgia ou o NOVO?

Sempre haverá quem diga : AH! Na minha época!

É verdade quando novo descobrimos que o bom somos nós. Nossos pais já eram. Será?

Devo ter falado a mesma coisa.
Até porque quando recebi a notícia que seria avô, preocupei-me.
Na verdade tive que como bacharel em administração da vida condicionar-me ao novo. Como agir com a nova filha, neta(ALÊ)? Uma figura singular, totalmente diferente do meu filho. Calma, de boa escuta, e de cobranças do prometido. Prá mim; novidades, nada a ver com o que me ensinaram ou cobraram nos anos 50.

Bom, perguntem por que tudo isso?

Um amigo do Arquipélago Fernando de Noronha, visitou nosso Blog e solicitou algo para o Jornal que ele escreve no belíssimo paraíso.

Então; depois da introdução, coloco o que vem em mente. O futebol que Tio Dadá(goleiro do Santa Cruz) viveu era lindo. Ninguém ganhava nada. Puro deleite dos enamorados da BOLA. Década de 40. Talvez um mometo de abrir portas para os megacraques(poucos) e megamilionáros que deixam muitos jogarem na sorte, onde poucos vencem, e muitos continuarão como antigamente, meros coadjuvantes. Porém, SONHAR com a glória é válido. O problema é o despreparo para o pós futebol. Fazer o que?

No meu período ainda não tínhamos o profissionalismo. Ainda lembro-me de ter sido perseguido por ter tentado namorar uma garota das Damas Cristã. O pai da rica donzela, foi a minha casa, e exigiu que me afastasse dela.

Hoje em dia as “marias chuteiras” ficam a cata de viver o conto de fadas, e pelo menos ao não casar-se pelo menos fazer um escândalo para tirar algum proveito.

Voltando a BOLA; hoje reconheço a grande evolução da (Mídia), do empresário e de todos que ao VEREM um produto da bola investem maciçamente. Certo ou errado? A dinâmica de tudo gira frenéticamente. E, quem tiver a competência e a sorte lhe sorrir viva intensamente SEU momento. Porque é efêmero.

Porém, não INVEJO nada nem NINGUÉM. Fui e SOU feliz do meu momento e o aproveitei, dentro e fora de campo.

Jogamos e enfrentamos maciços esquadrões sem medo de SER feliz. Senão vejamos: o Santos de Pelé e CIA, o Palmeiras de Dudu e Ademir da Guia(famosa ACADEMIA), o Cruzeiro de Dirceu Lopes, Tostão e Natal, isso fora a disputa acirrada com baianos e cearenses(briga local).

Não sou saudosista, nem nostálgico, pois sei o que fiz de melhor numa profissão curta e inglória para 99% dos que a MILITAM.

Recado para os que arricam-se pensando no EUROS que: Kaká,, Ronaldinho Gaucho, Robinho, mesmo queredo ser atleta da bola estudem, pois assim poderão vencer na BOLA ou em qualquer outra PROFISSÃO.

Fernando Santana

Categoria: Artigos

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatório são marcados *

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.