FernandoSantana

FERNANDOSANTANA paixão pelo futebol

ZÉ no FLU…

Olha, que o Zé Carlos Olímpico tem muitas estórias, mas quando “tá na pista”, sai da frente.

Quando foi emprestado para o Flu/RJ por pedido do treinador Duque, mineiro, que militou em todos três grandes da capital pernambucana, vejam o fato. Jogo rolando no maraca, Zé no banco doido prá entrar. Seu Duque comenta: pô velho assim não dá. Falava ele de Gérson o famoso canhotinha que não marcava ninguém. Sem mais aguentar chama o Zé Carlos Olímpico…olha vais entrar no   lugar do Gérson. DEQUEM??? Pensou, eu HEIN! Nisso o árbitro expulsa o treinado do FLU que não parava de reclamar. Parado o jogo Zé chama o canhotinha e fala baixinho o que o professor mandou que ele ia sair. OQUE? Olha manda outro que esse cara não entende nada. Saio não. Por sorte Manfrine machuca-se, e Zé entra sem necessidade de dar o recado ao homem que foi pro chuveiro mais cedo.

Fernando Santana

Fato comentado por Zé Carlos no dia do BOLEIRO.

Falou, falou e fui…

Sempre nos reunimos no fim de ano em Jardim São Paulo. É um momento nosso. Pessoal da antiga que faz questão de estar junto. O papo animado com boas recordações. Fiquei quieto e atônito quando olhando prá mim um rapaz começa a falar. Olha meu rapaz precisa ver num jogo em Paulista o que fiz contra o time de Fernando Santana. Pintei e bordei com o cara, não viu a cor da bola. Todos da mesa, calados, voltam-se para mim. E eu falei deve ter sido meu irmão. Ele desconfiado, procurou chão quando alguém falou: cara sai dessa encrenca. Esse senhor tranquilo aí é o pentacampeão do Santa Cruz. Fui…e desapareceu…Todos rimos bastante, Joel, Robinho, Xiquinho, Netinho e Fabiano.

Fernando Santana

Fernando Santana

A bola ajuda…mas

EITA…tempo bom, estudava no Grupo  Escolar Trajano de Mendonça em Jardim São Paulo. Fazia as tarefas e corria para os campos pertinho de casa. À noite, ainda ia jogar futebol de salão. PÔ meu, verdadeiro atleta correndo sempre atrás da redondinha. Bom, foi num jogo em Tejipió, que na volta vi duas lindas morenas em frente ao sítio. Com muita sede fui logo pedindo: moça dá um copo d’água. Bebi de um gole só tamanha sede. Papo vai, papo vem, elas perguntaram: gostam de   dançar? Claro, repondemos , Eu e Tita(zagueirão a lá Rivaldo). Bom, vai ser um “assustado”. Beleza.

Só que na saída a moreninha mais bonitnha disse prá TiTa: manda o baixinho passar um VAN-ESS(desodarente) debaixo do braço.

Ouvi quietinho e disse: meu amigo ou tu me espresta aquele bicho cheiroso senão não ti levo. Cheiroso e perfumado com a bola sempre de prima dançamos com as moreinhas noite toda…Bicho bom…

FernandoSantana

Foi legal!

Estava aguardando minha vez para ser atendido pelo oftalmologista, quando alguém pergunta-me: ´o senhor é Sóstenes´? NÃO! Ficou olhando para mim, desculpando-se. Porém logo em seguida tornou a perguntar, falei que não o ouvia, repita por favor. Olha, você estudou no Ginásio Pernambucano, lembro-me. Sim, estudei lá na década de sessenta. Eu também, mas fomos de turmas diferente. Sou mais velho que você. No entanto, agora SEI bem quem é você. Foi profissional pelo Santa Cruz. Fernando Santana. Morava perto de você e jogávamos muito contra. Aí, foi minha vez de matar a curiosidade. É quando estupefato escuto sou Adilson Burichél. Meu amigo você é quem mesmo? Sabe porque? Ia muito ver você jogar lá no campo do Sancho pelo Santos lá em Tejipió. Bom chEga a hora de irmos ao consultório, mas pedi seu cartão para continuarmos esse “bom papo” e trocarmos mais figurinhas.Muitas histórias ainda virão por aí. Aguardem…

Fernando Santana

É mesmo?

Essa foi contada por Luciano Veloso.
Vejam só; depois de uma volta no circuito do frio em Pesqueira/PE, vários encontros com os amigos de infância, uma pelada e a loiríssima suada.
Até porque ninguém é de ferro.
Foi quando um casal que os acompanhava, perguntou: “eita! E é verdade é”?
Tudo porque alguém convida Dodô(L. Veloso) como é conhecido pelos pesqueirense para irem ao PAPA.
Surpresa, a moça que de chofre falou: Vige Maria! Aqui tem até Papa? Pensei que só na Itália.
Foi quando Veloso, fala…olha gente vamos ver. E os leva para o bar famoso que é chamado -“Bar do Papa”.
Mesmo assim a moça pergunta: sim, mas cadê Ele? Todos riram muito e em vez de pedirem a loura sua, trocaram pelo vinho abençoado.

Fernando Santana

Cabral x VilaNova

Dois excelentes laterais.

Ambos porreteiros, Cabral…um pouco mais técnico. Subia bem fazendo bons cruzamentos.

Numa noite de sábado, estávamos concentrados quando fomos solicitados para uma reunião. Alguém gritou: é hora do ‘marafo’. É que, um técnico vindo de Minas gostava de mandar fazer limpeza no time. Então chegavam as rezadeiras/benzedeiras
Nessa noite um acontecimento de deixar-nos boquiabertos.

Pula dentro da concentração algo vivo.
O treinador estupefato, ver alguém rapidamente apanhar e comer o algo pulante.

Na mesma hora desfaz sua dúvida na escalação.

Você, entra de frente no jogo de domingo.
Na mesma hora, VilaNova desabafa, Vige Maria..sair do time desse jeito nunca vi. EUHEIN!!!!

Fernando Santana

Doutor, o Senhor viu né

Palavras de Luis Vieira VILANOVA(lateral esquerdo do Santa Cruz), em 1969.

Olha, muito bem lembrado por Joel, num bate-papo sobre Pelé. Até porque, parabenizá-lo pelos setenta anos.

Foi num jogo na Ilha do Retiro, pois nosso campo ainda não estava pronto. Daí, chamávamos os jogos para o campo do Sport.

Lá para tantas, perdíamos por 3 a 1, e numa jogada pelo lado do antigo placar, Pelé tenta chegar a linha de fundo.

Com a experiência que tinha, nosso lateral fecha a saída.

Entretanto o homem da camisa 10(dez), força a barra, engancha seu braço esquerdo no do VilaNova e ambos caem. O árbitro marca pênalti. Quando o médico Dr Omar Braga, olha, nosso homem incintinenti grita:Doutor, ainda bem que o senhor viu né?

Não fiz nadica de nada, embora ele tenha me segurado, o juiz pensou que fui Eu.

Fernando Santana

Caminhada

humpback-whale.jpgSempre que posso vou à praia dar uma caminhada.

Temos que manter a forma, estar saudável para uma idade nova tranquila.

Hoje pela manhã, encontro Anchieta de Palmares que jogou no Náutico na década de 70.
Começou no juvenil e nos enfrentamos algumas vezes.

Olha, um guarda-roupa daqueles.

Além do mais de cara feia encarava desde cedo os atacantes e batia forte para afastá-los de sua área.

Foi logo comentando da diferença do futebol comparando ao de hoje.

Como não tinha oportunidade na equipe principal do timbu/PE, foi para Natal jogar no ABC.
Daí perguntei se tinha jogado com Piaba. Claro, dava(batia) até no vento. Lembro-me bem disse-lhe.

Paramos para comprarmos abacaxi, e deliciarmos a dulcíssima fruta.

Amanhã continuaremos o papo e a caminhada.

Fernando Santana

No Picí

Fazíamos em 1968 uma excursão pelo nordeste.
Depois de passarmos por Natal, Hélio Pinto conseguiu jogos em Fortaleza.
O que culminou com um torneio.
Enfrentaríamos:Ceará, Fortaleza e Calouros do Ar.
Vencemos todos jogos e fomos campeões.
Como estávamos alojados na concentração do Fortaleza, e a verba era pouca, contentávamos com ovos pela manhã(café), no almoço e jantar.
Na época recám saídos do juvenil era graça.
Valia tudo, pois era novidade.
Já íamos pegar o ônibus, quando o presidente do Ferroviário, pediu mais um jogo. Dizia que não podíamos sair sem enfrentar o campeão FERRIN.
Não só dobrou o valor do contrato, como pagaria passagens de avião.
Claro que aceitamos.
Mas, ao chegarmos em Recife,corri prá casa com saudades, e logo mamãe foi dizendo:vou preparar uma omelete prá você.
Assustou-se quando lá de fora gritei…Nãaaaoooo…Ovos de novo nem pensar.
Preocupada, perguntou-me: por que?
Disse-lhe..MÃE..nesses quinze dias foi só o que comemos LÁ.
AH! Agora entendo…vou preparar um arrumadinho …Tá legal??

Fernando Santana

Papo furado

Dentro de campo há uma resenha que o torcedor nem imagina.

Um dos bons árbitros de Pernambuco, Cel. Sebastião Rufino impunha um respeito que alguns jogadores não gostava.

Dai Luciano Veloso e Givanildo criaram entre eles uma espécie de código.

Então, dependendo dos acontecimentos começavam a reclamar um do outro, que ficava sem entender. Num outro jogo arbitrado por Rufino, percebi o diálogo. Pensei, vai dar m….

Num papo furado falavam: começasse né Giva.
Em outra jogada, tá danado em Lu. Vê se acerta uma cara…
A cada falta que eles achavam e entendiam erro do homem de preto… entreolhavam-se e a piadinha saía…

Com inteligência o árbitro sacou as indiretas. Como diz o velho ditado: “bom cabrito não berra”, levou o jogo até o fim.

Porém, mandou recado através dos diretores do santinha: Dr. Bione e Cel. Vasco… que Givanildo se ligasse.

O recado foi dado, mas tanto Giva como Veloso não ligaram, respondendo que não tinham feito nada.

Após alguns jogos, vem o clássico contra o Sport no Arruda. Jogo tranquilo, as duas equipes cautelosas, é quando uma falta no meio-de-campo a favor do Santa Cruz. Givanildo rapidamente tenta pegar a bola para passar para Gena. Seu Rufino diz que a falta é para o Sport, logo em seguida vivamente dando-lhe as costas de próposito. Virando-se em seguida para vê-lo pegar a bola jogando-a no gramado com raiva. Cartão vermelho na mão…dizendo-lhe vá tomar banho mais cedo. Pegando-o de calça curta, e assim acabando o papo furado dos “ventrículos”.

Fenando Santana